O parecer do Instituto Natureza do Tocantins (Naturatins) sobre o lixo hospitalar encontrado na uma fazenda da família Olinto apontou que o período chuvoso favorece a infiltração das substâncias contaminantes no lençol freático. No local foram encontrados, inclusive, frascos de antibióticos restritos utilizados em UTIs.

Os resíduos foram desenterrados da fazenda Caeté durante uma ação da Polícia Civil no último dia 24 de novembro. Nesta quarta-feira (5), a empresa Pronorte Empreendimentos Rurais Ltda, que pertence à família do deputado estadual Olyntho Neto (PSDB), foi multada em R$ 3,2 milhões por causa dos resíduos enterrados no local.

Veja tudo que se sabe sobre o escândalo do lixo hospitalar.

O Naturatins informou que tentou notificar os responsáveis pessoalmente, mas ninguém foi encontrado no local. Agora, a tentativa de notificação está sendo feita pelos Correios.

“O solo no local é bastante arenoso e o aterramento do “lixo hospitalar” se deu em período chuvoso, ação que, sobremaneira, favorece a infiltração de substâncias contaminantes no terreno, com possibilidade de se comprometer o lençol freático”, diz trecho do parecer.

A fazenda que fica às margens da BR-153 em Wanderlândia, norte do Tocantins. No local foram encontrados 36 metros cúbicos de material biológico contaminante em uma área de mais de 43 mil metros quadrados.

Segundo o Naturatins, a responsabilidade de retirar o lixo é dos donos da empresa. A partir da notificação, haverá um prazo de sete dias para retirada do material.


Compartilhar:

Deixe seus Comentario